terça-feira, 7 de março de 2017

Transposição: DNOCS garante que barragens na PB não correm risco de rompimento

O Departamento Nacional de Obras Contra Seca na Paraíba (DNOCS-PB) realizou nesta segunda-feira, 6, juntamente com o ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, uma vistoria nas barragens de Porções e Camalau, na Paraíba, e garantiu que não há risco de rompimentos, como aconteceu em Barreiros, Sertânia-PE. De acordo com o coordenador do DNOCS-PB, engenheiro Alberto Batista, o ministro saiu bastante satisfeito e tranquilo com o que viu na Paraíba, em termo das obras tocadas pelo DNOCS.

Ainda segundo Alberto, a vistoria se iniciou pelo canal de tomada d’água que está pronto para receber as águas do rio São Francisco, conforme foi estabelecido no cronograma determinado pelo Ministério da Integração. “Percorremos todo canal onde foi detalhada cada etapa executada para o Ministro, que saiu muito satisfeito com andamento das duas obras (Porções e Camalau) e parabenizou toda equipe do DNOCS”, destacou Alberto.

O coordenador do DNOCS revelou que ainda existem novas etapas a cumprir nestas barragens, como a recuperação, modernização e automação, mas elas não comprometem o curso normal da água até seu destino final, que é Barragem Epitácio Pessoa (Boqueirão).

A água do ‘Velho Chico’ está cada dia mais próxima da cidade de Monteiro (PB), primeira a ser beneficiada, e avança também em direção a Pernambuco. O último reservatório do Eixo Leste, Barro Branco (PE), já está em fase de enchimento.  Somente nos últimos 35 dias, a água avançou mais de 147 quilômetros, desde o acionamento da terceira estação de bombeamento (EBV-3) pelo presidente da República, Michel Temer, e o ministro Helder Barbalho, no dia 30 de janeiro. No total, as águas já percorrem mais de 182 quilômetros de estruturas.


Na ocasião, o ministro Helder Barbalho, confirmou a vinda do presidente da República, Michel Temer (PMDB), para o próximo sábado, (11) para inauguração do trecho e chegada das águas a cidade de Monteiro-PB.

Com informações e imagem da Ascom

domingo, 5 de março de 2017

Águas do São Francisco – viva a política!

Por, Zizo Mamede

Nos idos da era FHC, o tucanato em geral sequer considerou a possibilidade da obra de transposição de águas do São Francisco para sanar a sede de milhões de nordestinas e nordestinos do semiárido.
Aqueles eram tempos bicudos, de apogeu do discurso neoliberal, de salve-se quem puder. A “seca” seria uma fatalidade natural. O Estado mínimo não daria a mínima para um problema secular e sem solução.

Nesta questão do enfrentamento aos efeitos das recorrentes estiagens no de-sertão nordestino, as diferenças entre a política de Lula e a de FHC não deixam de ser um ensinamento para quem quiser aprender: Qual é o papel do Estado? Qual é o papel dos governos? Dos parlamentos?

FHC representa não a social democracia, mas, o recall do velho liberalismo do século XVIII e principalmente do século XIX: deixa fazer, deixar passar, que a mão invisível do mercado aloca os esforços, os egoísmos, os talentos (...) e os bons botam a roda para rodar.

Lula representa o Estado de bem-estar, mesmo que seu governo tenha sido um misto de liberalismo, social-desenvolvimentismo, trabalhismo. O Estado tinha papéis mais incisivos a cumprir, para além das forças do mercado, aliando ações governamentais com a ganância do capitalismo.

Com Lula e com Dilma o Estado não deixa a sociedade ao “Deus-dará” ou nas mãos do deus-mercado. Pelo contrário, o governo interveio, estudou, planejou, coordenou, investiu aonde a iniciativa privada não tinha interesses.

O chamado mercado, o mundo dos consumidores e dos investidores, jamais investiria em obras estruturantes nas regiões depauperadas como os sertões nordestinos. Quem tem capital quer mais capital e investe onde o retorno dos lucros é mais certo e mais rápido.

Os governos de Lula e Dilma, de expansão do incipiente Estado de bem-estar social no Brasil, encaram o problema da “seca” no Nordeste como encararam outras urgências históricas no país: a fome, o desemprego, a desvalorização salarial, a restrição no acesso ao ensino em todos os níveis, a moradia, os apagões elétricos, a falta de médicos, etecétera.

A política pública de Lula e Dilma para a questão da sustentabilidade hídrica no semiárido foi bem mais abrangente do que a mega obra da transposição de águas do Velho Chico.

Centenas de milhares de cisternas foram construídas na região, com tecnologias e saberes acumulados pela própria população. Vultosos recursos foram investidos em sistemas de abastecimento de água singelo e complexo, em barragens subterrâneas, perfuração de poços e instalação de dessalinizadores, em máquinas, nas áreas rurais, além de sistemas de abastecimento de água e redes de esgotamento sanitário em áreas urbanas. 

Entre críticas e denúncias e uma certa torcida contra, a obra de transposição de águas do São Francisco é a cereja do bolo.

Fica a lição: a destruição da política é a política dos que querem abandonar o país nas mãos invisíveis do mercado. A afirmação da política é a única força capaz de equilibrar o jogo em favor da imensa maioria da população face à sanha dos donos do capital.


Viva a política!

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Ricardo lança Pacto pelo Desenvolvimento Social da Paraíba 2017 nesta terça-feira

O governador Ricardo Coutinho lança, nesta terça-feira (14), o Pacto pelo Desenvolvimento Social da Paraíba 2017. Nesta edição, o Governo do Estado vai disponibilizar R$ 90 milhões para as prefeituras municipais interessadas em investimentos na área da Educação, como aquisição de ônibus, kits de informática e mobília escolar. A solenidade será realizada às 9h30, no Teatro Paulo Pontes do Espaço Cultural.

A expectativa é que a solenidade conte com a participação dos 223 prefeitos paraibanos interessados em modificar os indicadores sociais dos seus municípios e, como reflexo, do próprio estado também.

Ainda na solenidade, o governador Ricardo Coutinho vai assinar o Termo de Adesão ao Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento - Pnud (ONU), um desafio que já lançou a Paraíba no cenário internacional por meio do desempenho da Prefeitura de Pombal, no Sertão do estado, que se transformou em referência pelos indicadores alcançados na Educação.

Pacto Social - O Pacto pelo Desenvolvimento Social da Paraíba é uma concepção genuinamente paraibana desenvolvida pelo Governo do Estado a partir de 2011 e que já obteve um avanço significativo nos indicadores de áreas como a Educação e Saúde, transformando a realidade de muitos municípios paraibanos cujos prefeitos se engajaram no projeto revolucionário.

Quando o município adere ao Pacto Social, o Governo do Estado disponibiliza recursos para executar o projeto apresentado. Em contrapartida, a Prefeitura se compromete, por meio da denominada Contrapartida Solidária, em melhorar os indicadores sociais do município nos setores de Educação e Saúde.


Com informações do Secom-PB

Coordenação de Educação do Campo faz plantão para inscrever candidatos sem acesso à internet no Vestibular do curso

O Centro de Desenvolvimento Sustentável do Semiárido (CDSA)- UFCG, localizado na cidade de Sumé, Cariri paraibano, comunica a todos que continuam abertas as inscrições para o Vestibular Especial do curso de Licenciatura em Educação do Campo. As pessoas que fizeram Enem de 2009 a 2016 podem se inscrever utilizando uma das notas obtida neste período. Entre os dias 14 , 15, 16 e 17 de fevereiro, a coordenação do curso de Licenciatura em Educação do Campo, fará um plantão das 8 às 20h, para a realização das inscrições dos candidatos que não tem acesso à internet.

As inscrições ocorrem de 6 a 24 de fevereiro através do portal: http://comprov.ufcg.edu.br/index.php?option=com_content&view=article&id=539

O valor da taxa da seleção é de 25 reais. Os candidatos que preenchem os requisitos do Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) poderão solicitar isenção até o dia 10 de fevereiro, anexando as cópias comprobatórias no momento da inscrição.

Todos os inscritos serão submetidos a uma prova de habilitação específica, Dia 07 de março, das 14 às 17h,  no Campus UFCG-Sumé. O exame será uma redação que se somará as notas do ENEM. Estão sendo oferecidas 50 vagas.

Maiores informações através do telefone (83) 2101-1359, na COMPROV/UFCG.


Com informações da Assimp CDSA/UFCG

sábado, 11 de fevereiro de 2017

Capítulos do golpe: escola de segunda classe

Para além da destruição da economia e da política, o Golpe contra democracia brasileira, que derrubou a presidenta eleita, impõe a maioria da população uma agenda de retrocessos que cristalizam a histórica desigualdade social que marca a história do país.

A reforma do ensino médio, por exemplo, apresentada por medida provisória e aprovada às pressas pelo Congresso golpista, além de não respeitar a participação da população, principalmente dos jovens, que deveriam ser os mais ouvidos para mudanças que se fazem necessárias, aprofunda o fosso social na escola.

Bem ao gosto do PSDB, o governo federal ataca da Lei de Diretrizes de Base da Educação (LDB), criando duas escolas diferentes no ensino médio: o ensino técnico de baixa qualidade para estudantes mais pobres; o ensino para estudantes aquinhoados, que poderão escolher áreas para se especializarem.

Além dos cortes nos gastos com Educação, impostos pela PEC 241 (PEC do Teto), o governo golpista patrocina o retrocesso no ensino médio, bem ao gosto dos interesses empresariais que demandam mão de obra barata e não gente que pensante e mais exigente.

Programa Gira Mundo chama atenção da presidente mundial do TOEFL YSS

O programa de Intercâmbio Internacional Gira Mundo, desenvolvido pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Educação (SEE), despertou o interesse da diretora mundial do TOEFL YSS (Young Students Series), certificação de proficiência voltada para jovens de até 18 anos, Amy Cellyni.

Ela foi recebida, juntamente com Eugênio e Thais Mirisola – diretores responsáveis pelos exames no Brasil –, pelo secretário de Estado da Educação, Aléssio Trindade, e pela secretária de Gestão Pedagógica da Educação, Roziane Marinho, no final da tarde dessa quinta-feira (9).

O programa Gira Mundo tem o objetivo de propiciar a estudantes e professores da rede estadual de ensino experiências práticas no desenvolvimento de língua estrangeira e interações com outras culturas, por meio de intercâmbio com países de língua inglesa.

O secretário Aléssio Trindade iniciou a reunião destacando o funcionamento do programa e o sucesso das duas edições: Canadá e Finlândia. Amy Cellyni parabenizou o Governo do Estado pela iniciativa de promover a língua inglesa na Rede Estadual de Ensino. “Parabenizamos a Paraíba pelo desenvolvimento deste programa porque temos certeza que esta experiência transformou a vida dos alunos participantes e de suas famílias”, destacou.

Ainda durante a reunião foram iniciadas as tratativas para realização de um projeto piloto com o uso da certificação TOEFL em escolas da Rede Estadual de Ensino a serem definidas. “Tivemos uma reunião muito positiva, pois o nosso programa chamou a atenção de pessoas importantes da área, isso mostra que estamos no caminho certo com o Gira Mundo e a possibilidade de fazermos um piloto aqui em João Pessoa, no Ensino Fundamental II é maravilhosa”, contou o secretário Aléssio Trindade.

Gira Mundo 2017 – Nesta sexta-feira (10), o governador Ricardo Coutinho lançou a edição 2017 do programa Gira Mundo, durante solenidade da abertura do ano letivo na rede estadual em Campina Grande. Serão ofertadas 100 novas vagas. Desta vez, as vagas serão distribuídas para três países, sendo 50 para o Canadá, 25 para Portugal e 25 para a Espanha.


Poderão participar alunos matriculados na 2ª série do Ensino Médio da Rede Estadual de Ensino. Os pré-requisitos para participação no programa bem como mais informações serão divulgados por meio de um edital, que será publicado no Diário Oficial do Estado (DOE).

Com informações e imagens da Secom-PB

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Projeto Informática e Cidadania Digital do CDSA realiza curso de informática para a comunidade

O Projeto Informática e Cidadania Digital (INCID) do Centro de Desenvolvimento Sustentável do Semiárido  da UFCG está oferecendo aos alunos, servidores da instituição e à comunidade de Sumé, o curso gratuito de Informática Aplicada. A carga horária é de 40h.

As inscrições ocorrem de 13 a 24 de fevereiro na Secretária a Unidade Acadêmica de Educação do Campo (UAEDUC).

As aulas terão início no próximo dia 7 de março, no Laboratório de Informática.

Horário das turmas:

Estudantes e servidores do CDSA: Quarta-feira, às 10h (Turma A) e quinta-feira, às 20h (Turma B)

Comunidade de Sumé:
Jovens e adultos: Terça-feira, às 20h (Turma C)
Idosos: Quarta-feira, às 8h (Turma D)
Jovens do campo: Quarta-feira, às 14h (Turma E)


Com informações de Rosenato Barreto – Assimp CDSA/UFCG

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Pagamento do IPVA de veículo com placa final 2 deverá ser antecipado em fevereiro

Os proprietários de veículos no Estado da Paraíba com placa final 2 deverão antecipar o pagamento do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) no mês de fevereiro como forma de evitar acréscimos de juros e perda do desconto de 10% da cota única. A data limite de pagamento seria o dia 28 de fevereiro, mas, devido ao feriado bancário do Carnaval, precisa ser antecipado pelo contribuinte.

As agências bancárias estarão fechadas, internamente, nos dias 27 e 28 de fevereiro. Contudo, os proprietários poderão antecipar ou programar o pagamento do tributo até o dia 27 de fevereiro nos caixas de autoatendimento do Banco do Brasil ou via opção mais prática do mobile banking – plataforma acionada por dispositivos móveis, como smartphones, caso os proprietários tenham saldo bancário para efetuar o valor do IPVA.

Já aqueles proprietários que optarem pelo pagamento nos guichês internos das agências do Banco do Brasil deverão antecipar o pagamento para o dia 24 de fevereiro.

EMISSÃO DO BOLETO – A partir deste ano, os boletos do IPVA/licenciamento não serão mais enviados para os domicílios residenciais. A emissão do tributo deverá ser efetuada por meio da internet. O boleto está disponibilizado nos portais da Secretaria de Estado da Receita da Paraíba: www.receita.pb.gov.br e do Detran-PB http://www.detran.pb.gov.br. O boleto poderá também ser impresso nas repartições fiscais ou então nas unidades do Detran-PB.

MODALIDADES DE PAGAMENTO - Os contribuintes terão três opções de pagamento do tributo. A primeira será a cota única com desconto de 10% à vista do IPVA. A segunda opção é o pagamento em três parcelas sem desconto, send
o a primeira com vencimento até o dia 27 deste mês nos caixas de autoatendimento do Banco do Brasil ou via opção mais prática do mobile banking (aplicativo do BB no Smartphone). A terceira opção é o pagamento total do IPVA apenas no dia 28 de abril, mas sem o desconto de 10%.


CALENDÁRIO AMPLIADO - A Secretaria de Estado da Receita ampliou o calendário de pagamento para os contribuintes paraibanos. Agora, os dez números finais de placas serão distribuídos ao longo dos dez primeiros meses do ano de 2017 para efeito de pagamento do tributo. Ou seja, cada final de placa vai corresponder a um mês do vencimento na opção de pagamento. Veja como fica o calendário do IPVA 2017 na íntegra via link abaixo  https://www.receita.pb.gov.br/ser/info/ipva#calendário-2017.

Com informações da Secom-PB

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

O prefeito foi eleito para resolver problemas

Por Zizo Mamede

01. O prefeito foi eleito para resolver problemas, não para se esquivar. Aliás, governista contumaz, o prefeito eleito não pode dizer que não conhecia os problemas e limites da prefeitura de Serra Branca.

02. O prefeito não pode entregar a gestão para um vereador, como está ocorrendo. O Brasil não é parlamentarista. Assim, o correto é: prefeito governa e vereador parlamenta.

03. O prefeito não pode alegar queda nas receitas municipais. Até aqui, a crise que abala a economia e as receitas públicas do país e dos estados federados, não atingiu as finanças do município. Basta conferir que as receitas do município aumentaram.

04. O prefeito não pode alegar que o hospital de Serra Branca está funcionando precariamente por culpa de terceiros. O gestor municipal é o grande responsável pela gestão do hospital municipal.

05. O prefeito não pode blefar para a comunidade de que a creche dos Pereiros não será aberta às crianças porque o laudo de um “engenheiro” dá parecer contrário. Mesmo que haja algum problema, é o prefeito que tem que resolver.

06. O prefeito não pode atrasar o início das aulas. Os recursos do financiamento da educação continuam entrando nas contas bancárias da prefeitura, inclusive em valores superiores aos dos últimos exercícios.

07. O prefeito não pode alegar que não tem o que fazer pela agricultura familiar por causa da estiagem. A escassez de recursos hídricos é uma pauta  permanente na agenda dos governantes.

08. O prefeito não pode lavar as mãos diante do desemprego que assola a população local. É dever do poder público participar ativamente da solução desse problema.

09. O prefeito não pode continuar dando as costas para o grave problema do Instituto de Previdência do Município. Também não adianta “empurrar o problema com a barriga”. Com mais dinheiro disponível, o IPSERB deve ser uma prioridade.

10. O prefeito não pode negar-se a garantir as condições de transporte para quaisquer pessoas que queiram fazer curso técnico ou universitário, independentemente da condição do estudante.

11. O prefeito não pode dar continuidade à política dos que se apropriam do poder para resolver problemas privados. O município precisa de políticas públicas e de um governo honesto e competente.

12. O prefeito não pode agora ficar zombando das pessoas que lhe deram votos em troca das promessas de emprego sem concurso na prefeitura. Pregar que nas próximas eleições vai conseguir enganar de novo é fraqueza de caráter. 


Em tempo: Não adianta contratar mercenários para transferir as responsabilidades e inventar desculpas. 

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

A parcialidade dos jornalistas imparciais.

Por Zizo Mamede

Há 25 séculos, lá na Grécia, Protágoras dizia que “O homem é a medida de todas as coisas (...) das que são e das que não são.” – Por aqui jornalistas ainda apregoam uma tal imparcialidade.

Na segunda metade do século XVIII, Emanuel Kant superava racionalistas e empiristas acerca do conhecimento: Não é a reprodução passiva do objeto pelo sujeito, pelo contrário, é construção ativa do objeto pelo sujeito do conhecimento. – Por aqui jornalistas já sabem de tudo antes, mas dizem que só sabem depois.

No século XIX, Arthur Schopenhauer, repisava: “O mundo é minha representação” ou “Nenhum objeto sem sujeito”. Ainda no século XIX, no mesmo campo filosófico, Nietzsche arrematava: “Não existem fatos, apenas interpretações”. – Mas, em pleno século XXI, jornalistas ainda se defendem: insípidos, inodoros e incolores.

O contemporâneo, Michel Foucault, diz que a verdade está associada à singularidade do acontecimento. O que tido como verdadeiro é produzido como acontecimento num espaço e num tempo específicos. Não pode ser válido em qualquer lugar; nem a qualquer tempo. – Já jornalistas não pensam sobre palavras e coisas.

Cá entre nós, o povo sabe de cor (coração) e salteado (prá frente e prá trás, tanto faz) que “Cada cabeça é um mundo”. – Só jornalistas não sabem, inocentes.

Em vez da disfarçada imparcialidade, porque não a honestidade de se dizer sim, que é parcial, que tem lado, faz juízos de valor, faz escolhas, pesa e pondera de acordo com seu lugar e interesses pessoais no mundo? – Dizer-se imparcial faz parte do jogo de cena. Não é por engano, é para enganar.

O equívoco da verdade revelada ficou na chamada Idade Média e nem os teólogos se apegam mais. Da mesma forma, a objetividade positivista, banida da ciência contemporânea há 100 anos.

Jornalistas, como historiadores, físicos, médicos, matemáticos, sacerdotes, camponeses e guerreiros, são sim parciais, partidários, interesseiros, como todo bicho humano.

Para começar, jornalistas falam quando lhes interessa e calam quando lhes interessa.

Ainda bem que há jornalistas e jornalistas. Prefiro os que são honestamente parciais, mesmo que eu discorde deles.