quinta-feira, 28 de abril de 2016

Um presente à Serra Branca

Nestes 57 anos de emancipação política da “Rainha do Cariri”, o blog NoMeuCariri traz na íntegra o livro Memórias, da professora aposentada Geruza Mamede Lima, ou simplesmente Dona Geruza.

Ela, saudosista, presenteia os serra-branquenses com a história de Serra Branca, na visão de quem testemunhou os fatos sociais, políticos, culturais e folclóricos deste município.

Uma verdadeira viagem no tempo. Numa linguagem “bem popular” Dona Geruza consegue contar a história do povoado Jericó à um dos principais municípios do Cariri, Serra Branca.

O livro foi lançado em 2014. Uma edição limitada, que não foi posta à venda, e sim distribuída com àquelas pessoas “mais próximas” da professora/escritora/historiadora. (Eu tive esta honra de ser contemplado)

Com sua autorização e com a colaboração (digitação) de seu filho Zizo Mamede, eu (honrado pela segunda vez) disponibilizo na íntegra o livro Memórias.

Que vocês possam ter uma boa leitura e conhecer, de forma romântica, um pouco de nossa história. Para tanto, basta clicar no banner lateral, ou AQUI


- Obrigado Dona Geruza! Presente melhor, impossível.

Serra Branca em 1976 – uma história de uma eleição

Numa semana de comemoração da emancipação política de Serra Branca, nosso colunista Zizo Mamede (“Entre Aspas”), traz um “pedaço” da história política da Rainha do Cariri.

Confira o texto:

Há 40 anos, nas eleições municipais de 1976, as elites políticas e econômicas de Serra Branca dividiam-se dentro da ARENA, o partido do regime militar. A polarização política repercutiu em outras esferas da sociedade local. 

1. De um lado, na ARENA 1, liderados pelos deputados Álvaro Gaudêncio e Manuel Gaudêncio agrupou-se a maior parte da tradicional elite política local em apoio à chapa majoritária Wamberto Torreão, jovem filho de uma grande comerciante, que representava segmentos mais urbanos do centro da cidade de Serra Branca, principalmente funcionários públicos municipais e estaduais. Wamberto, dirigente do Flamengo local, também tinha o apoio dos dirigentes e de grande parte da torcida deste time de futebol amador da cidade.

2. Na sublegenda, na ARENA 2, a cabeça da chapa era Luis Gonzaga de Holanda, que tinha o apoio das principais figuras da elite econômica do município, principalmente fazendeiros e beneficiadores de algodão, mas também alguns comerciantes: Francisco Moreira, Gedeão Maracajá, João Bezerra, Bento Ribeiro, Zuzu Barros e a família Grangeiro. Esta chapa tinha grande simpatia dos segmentos mais populares do município, principalmente na zona rural e nos pequenos bairros da cidade. Luis Gonzaga tinha também o apoio de Ledson da Silva, de outros dirigentes e de torcedores do Vasco da Gama, o mais antigo time de futebol amador da cidade.

3. A grande novidade da campanha eleitoral era a figura de Luis Gonzaga de Holanda, servidor público e dirigente do sindicato dos agricultores e antigo braço direito do deputado Álvaro Gaudêncio, tanto dentro prefeitura como na câmara municipal. – como Luis Gonzaga teria coragem de romper com a família Gaudêncio-Torreão e se unido aos antigos adversários?

4. A eleição tornou-se acirrada. A elite econômica, mesmo conservadora e autoritária, acusava a elite política de se prevalecer do atraso político do município. A figura de Luis Gonzaga, um homem negro e de origem humilde, mas que “tinha crescido na vida” e os discursos de Edson Amorim (Arigó) empolgaram os setores mais humildes da população. Mas, Luis Gonzaga passou a ser hostilizado por pessoas racistas, numa clara alusão a cor da sua pele.  “Branco é ouro, negro é besouro”. “Serra Branca não pode cair em mãos negras”.

5. A reação ao racismo veio com uma música que virou febre no meio do povo, uma marcha feita por Heleno Firmino, tratorista e morador de Chico Moreira que animava grandes passeatas: “Eu sei que vou votar por desaforo, Luis Gonzaga de ouro, Luis Gonzaga de ouro” (refrão). / Seu Luis é bem votado na cidade e na ribeira, com “Carlim” de Zuzu Barros, vereador de primeira, Zé Gomes e Manuel Guilherme pedindo voto na feira/ (refrão)/ Tem Luis rei do baião, o cantor da Asa Branca, Luis Fuba no Ahu também é rei na chibanca. Luis Gonzaga de ouro prefeito de Serra Branca.”

6. A reação musical de parte da campanha de Wamberto Torreão veio com uma música de Zé Preto de Inácio Luzia, que era vascaíno: “Me chamaram prá votar do outro lado, uns coitados, imbecis e idiotas! A gente vota onde está acostumado, do lado que é mais difícil uma derrota. Em Wamberto a gente vota, em Wamberto a gente vota. O candidato é Wamberto e a gente vota.”

7. Na reta final da disputa eleitoral Luis Gonzaga comentou com dois de seus mais próximos correligionários que se “faltasse energia na cidade na noite após eleição, o pleito estaria perdido.” – E assim ocorreu. Faltou energia na noite após a eleição. Diz a lenda que Luis Gonzaga, por conta de sua grande amizade e apreço por Álvaro Gaudêncio e ou por medo do Regime Militar, teria “entregue” a eleição. Aliados de Luis Gonzaga ainda reclamam do resultado inesperado daquela eleição.

8. Fato é que essa eleição vencida pela elite política local contra a elite econômica teve desdobramentos. Luis Gonzaga enfrentaria uma oposição dentro do Sindicato dos Agricultores e Álvaro Gaudêncio estaria por trás desta disputa porque não perdoara seu antigo aliado. Por outro lado, ocorreria também um racha dentro da Sociedade Vasco da Gama, com aliados de Álvaro Gaudêncio tomando de Leidson da Silva a direção do clube. Leidson abandonou o futebol e time do Vasco da Gama foi extinto, o que por tabela esvaziou o time do Flamengo local. O concorrido futebol amador da cidade entrou em declínio.


Essa história eu vivi há 40 anos e esta é a versão que eu sei. Quem souber que conte outra.

Prorrogadas as inscrições para o Pré-Vestibular Solidário no Campus da UFCG em Sumé

Até as 17h do dia 6 de maio, estarão abertas no Centro de Desenvolvimento Sustentável do Semiárido (CDSA) da Universidade Federal de Campina Grande as inscrições para o curso Pré-Vestibular Solidário. Jovens e adultos que estão concluindo ou já concluíram o Ensino Médio na rede pública de Sumé e região, podem se inscrever. Os interessados devem comparecer a Gerência de Assuntos Estudantis (GAE) na Direção do CDSA para garantir a sua vaga.

Ao todo, serão 80 vagas destinadas aos jovens e adultos da microrregião do Cariri Ocidental, que serão preenchidas por ordem de chegada. Podem se submeter às vagas, jovens e adultos que tenham concluído ou estão concluindo o Ensino Médio em 2016, oriundos de escolas públicas, bem como alunos de escolas particulares, caso sejam bolsistas integrais e, filhos de servidores do CDSA e de professores do PVS.

O início das atividades será no dia 9 de maio próximo e o término no dia 28 de outubro deste ano. As aulas serão ministradas no espaço físico do CDSA, no turno da noite, de segunda a sexta, das 18h30min às 22h.

Para a inscrição, os jovens e adultos interessados devem levar os seguintes documentos: Ficha de inscrição preenchida; Se tiver sido bolsista integral em escola particular, apresentar declaração da escola de origem; Se for filho de servidor do CDSA ou de professor do PVS, apresentar documento comprobatório; 1 foto 3X4; Cópia da identidade e do CPF; Cópia do Histórico do Ensino Médio (Para os candidatos que já concluíram o Ensino Médio); Declaração de Concluinte (Para os candidatos que irão concluir o Ensino Médio em 2015) e; Comprovante de residência.

Acesse a ficha de inscrição no sítio eletrônico do CDSA (www.cdsa.ufcg.edu.br).

Com informações de Rosenato Barreto – Assimp CDSA/UFCG


segunda-feira, 25 de abril de 2016

Abertas na UFCG em Sumé as inscrições para especialização em Ensino de Ciências da Natureza e Matemática para a convivência com o Semiárido

Estarão abertas até o dia 6 de maio próximo, no Centro de Desenvolvimento Sustentável do Semiárido da Universidade Federal de Campina Grande (Campus Sumé), as inscrições do processo de seleção para o curso de pós-graduação em Ensino de Ciências da Natureza e Matemática para a convivência com o semiárido, em nível de especialização - lato sensu, na modalidade de Educação Presencial.

O curso tem como público alvo professores dos Sistemas Públicos de Ensino Estadual e Municipais, licenciados e que estejam em efetivo exercício da docência, em alguma das disciplinas: Biologia, Ciências, Química, Física e Matemática, no Ensino Fundamental ou Médio. Também podem participar profissionais que possuem diploma de Curso Superior em Pedagogia e que atuam com as disciplinas de Ciências e Matemática no Ensino Fundamental; e por fim, os egressos do curso de Licenciatura Interdisciplinar em Educação do Campo do CDSA/UFCG.

As inscrições ocorrerão das 8h às 12h e de 14h às 20h no Protocolo Setorial do CDSA.

A seleção acontecerá nos dias 6 e 7 de junho, em duas etapas: realização de entrevista com peso 6 e análise do Curriculum Vitae com peso 4.


O edital do processo seletivo está disponível no portal do CDSA (www.cdsa.ufcg.edu.br).

Com informações de Rosenato Barreto

Copa Paraíba Sub-15

Coordenação da Região do Cariri reúne representantes para discutir a competição

O coordenador regional da Copa Paraíba de Futebol Sub-15 Professor Raimundo Braga, o também professor Boanerges Júnior reuniu representantes das equipes participantes da competição deste ano. A reunião aconteceu na Câmara Municipal de Vereadores de Serra Branca, na manhã do último sábado, dia 23 de abril.

A etapa regional do Cariri da Copa Paraíba Sub-15 terá 12 equipes participantes dividas em 04 grupos de três equipes, cada.

O regulamento da competição foi apresentado e alguns pontos discutidos e já aprovados, a exemplo da forma de disputa.

Na primeira fase, duas equipes se classificam por grupo (os quais foram definidos pelo critério regionalizado e sorteados).

Na segunda fase, os classificados do Grupo A enfrentarão os classificados do Grupo C; os classificados do Grupo B enfrentam os classificados do Grupo D.

Confira os grupos:

GRUPO A
GRUPO B
GRUPO C
GRUPO D
Gurjão
Serra Branca
Barra de São Miguel
Monteiro
São João do Cariri
Sumé
Coxixola
Camalaú
Parari
São José dos Cordeiros
São Domingos
Zabelê

Próxima reunião está prevista para o dia 14 de maio, no mesmo horário e local. Neste novo encontro os representantes ficaram na incumbência de apresentarem a documentação dos atletas.

sexta-feira, 22 de abril de 2016

O teatro de Dudu

No tão anunciado “anúncio da pré-candidatura” apoiada pelo prefeito de Serra Branca o que se viu foi mais um teatro (com direito a tentativa de choro e tudo) do etílico prefeito municipal.

- Uma dúvida: ele não já tinha anunciado seu pré-candidato noutro dia?

Sem dúvida! De fato, o prefeito anunciou, ainda no mês de dezembro de 2015, a sua predileção pela pré-candidatura de seu secretário: “O prefeito Eduardo Torreão (PMDB) parece está decidido a apoiar a pré-candidatura de seu secretário de obras, Sousinha. O gestor procurou o auxiliar após perceber a movimentação de seu grupo em torno da postulação de Sousinha e hipotecou seu apoio a postulação”, é o que diz o texto num dos sites locais. (leia AQUI)

Em 26 de abril, também foi divulgado oficialmente o apoio do “prefeitão moral” a pré-candidatura do secretário, por outro site da região: “O prefeito de Serra Branca, Eduardo Torreão (PMDB), anunciou neste sábado (25) em entrevista a uma emissora de Rádio do município, o nome do seu pré-candidato a prefeito para as eleições municipais em 2016. De acordo com Dudu, como já especulado antes, Vicente Fialho (Souzinha), Secretário de Serviços Urbanos do município, terá seu apoio na disputa pela Prefeitura de Serra Branca”. (confira AQUI)

Mudando de ideia (e de quebra denunciando traição)

Pois é! Nesse ato de ontem, o prefeito “deu um ré pra trás” e anunciou outro pré-candidato: Flávio Torreão.

Pra mim, nenhuma surpresa, visto que, desde 2014 que venho falando que o candidato do governo em Serra Branca é o pupilo do deputado Wellington Roberto. (ver AQUI)

Em julho do ano passado, ao analisar o cenário político local, também fiz referência a este fato. (confira AQUI)

O fato é que o prefeito, além de anunciar outro pré-candidato, ainda chamou o seu secretário de traidor. (A quem ele quer enganar? Não tem traição! Tem armação! E mesmo que houvesse quem foi traído, nesse caso, foi o secretário. Pois este teve o apoio anunciado, e agora negado)

Racha na corte?

Não acredito!

O que existe é a tentativa de emplacar uma pré-candidatura. O vereador Flávio Torreão sempre foi o escolhido, até porque é produto da família. (Quem não se lembra? Tentaram produzir o primeiro: elegeram, mas não vingou. Daí elegeram o segundo, que já vinha de um estágio na assessoria do deputado tutor)

A questão é que não contavam com tamanha rejeição (do pupilo) na consulta popular. Com um elevado índice de rejeição, a saída foi lançar o plano B: lança-se outro nome e se trabalha melhor “o produto”. Entretanto, não contavam com a boa aceitação do plano B (secretário), justamente no miolo “da muda”: os funcionários. E agora?

E agora, José?

É agora não tem jeito. Aliás, tem! O jeito é desconsiderar a legitimidade da pré-candidatura do secretário e manter o plano A, até porque, este é o compromisso com o deputado (que “viabilizou” a campanha anterior).

Para isso, é só se fazer de vítima (se possível chorar nas entrevistas), dizer que houve traição e forjar um racha. Lá na frente, faz-se um acordão, junta todo mundo de novo e sai pra mais uma campanha, afinal o povo tem memória curta, não vai lembrar que esta turma trouxe de volta a lama nas ruas de Serra Branca, que fechou a cozinha comunitária dos Bairros do Ahú, Pereiros e Odonzão, que abandonou as obras de calçamentos destes mesmos bairros, que abandonou os sistemas de abastecimento d’água da zona rural, que não deu continuidade a projetos importantes como o compra direta, escola de fábrica, balcão de direitos. Que sucateou as máquinas do PAC, que atrasou as obras da creche, da UBS e da UPA, só para fazer média em ano eleitoral.

Será que essa turma vai se negar a dizer que estes projetos foram oriundos do governo petista e que são recursos do Governo Federal? Não creio nessa tremenda “cara de pau”! Será!

Em tempo: Só acredito nesse racha se Souzinha sustentar sua candidatura. 

O que mancha o país: o golpe ou sua denúncia?

Está nos jornais desta sexta-feira que o vice-presidente Michel Temer deflagrou uma ofensiva de comunicação para tentar demonstrar ao mundo que não houve um golpe no Brasil.

Trata-se de uma missão quase impossível, uma vez que o golpe já foi assimilado por veículos como New York Times, Le Monde, El Pais, The Economist, Der Spiegel e Washington Post, entre tantos outros.

Segundo Temer, quando fala em golpe, a presidente Dilma Rousseff mancha a imagem do Brasil no exterior. Segundo a colunista Miriam Leitão, essa "tese" pode afugentar investidores externos, quando, na verdade, o que mais espanta investidores é justamente a ausência de regras estáveis.

Pela lógica arautos da tomada de poder, não é o fato de a democracia brasileira ter sido golpeada por políticos corruptos, que se somaram aos derrotados na última eleição presidencial, que mancha a imagem do Brasil no exterior, mas sim o fato de se pretender denunciar este golpe ao mundo.


Essa é a lógica dos que tentam censurar a presidente Dilma Rousseff e impedi-la de dizer ao mundo o que as principais publicações do mundo já afirmam abertamente: a trama que culminou no vergonhoso 17 de abril nada mais é do que uma conspiração golpista.

Com informações do www.brasil247.com

quinta-feira, 21 de abril de 2016

Frei Anastácio luta contra fechamento de agência bancária em Serra Branca

O deputado estadual Frei Anastácio fez apelo, ontem (20), na Assembleia Legislativa solicitando à Superintendência do Banco do Brasil na Paraíba a reabertura da agência bancária na cidade Serra Branca. “A população de várias cidades do Cariri Ocidental dependia dessa agência para as operações bancárias. Agora, só dispões das agências dos Correios e Telégrafos. Os aposentados chegam às filas de madrugada para conseguirem atendimento. Isso é uma humilhação”, disse o deputado.

O deputado ressaltou que o apelo feito, atende a uma reivindicação enviada ao mandato dele através de ofício pelos vereadores de Serra Branca, Renan Mamede de Lima e Josenildo Gonçalves de Brito. “Eles enviaram ofício ao nosso mandato solicitando que os ajudasse nesse pleito. Os vereadores explicaram que a agência do Banco do Brasil sofreu uma investida de bandidos e foi praticamente destruída pela explosão no dia 03 de março deste ano. Eles obtiveram a informação de que aquela agência não seria mais reaberta”, explicou.

De acordo com o deputado, diante dessa situação, está solicitando o empenho do Poder Legislativo Estadual: “Estamos pedindo que a Assembleia Legislativa se coloque ao lado da população do Cariri Ocidental apelando à superintendência do Banco do Brasil a imediata reabertura da agência da cidade de Serra Branca”, destacou.

O parlamentar informou que irá pessoalmente à superintendência do Banco do Brasil, ao lado do ex-vereador é membro do Diretório Municipal do PT de Serra Branca Ednaildo Saraiva, solicitar uma audiência para tratar sobre o assunto. “Não podemos ficar de braços cruzados diante de uma situação dessas. São milhares de pessoas que dependem dos serviços do Banco do Brasil. Tenho certeza de que a superintendência irá tomar as providências necessárias para resolver o problema”, disse.


Com informações da Ascom do deputado Frei Anastácio

4ª Copa Paraíba de Futebol Sub-15

Coordenador Regional da 4ª Copa Paraíba de Futebol Sub-15 – 2016, Boanerges Júnior, se reúne com os representantes das equipes locais, neste sábado, dia 23, às 09:00h, na Câmara Municipal de Vereadores em Serra Branca.

Representantes de equipes de Amparo, Barra de São Miguel, Camalaú, Coxixola, Gurjão, Monteiro, Parari, São Domingos do Cariri, São João do Cariri, São José dos Cordeiros, Serra Branca, Sumé e Zabelê, estão convidados a participar da reunião, que definirá os confrontos e será apresentada a forma de disputa da competição. Além destas cidades, previamente convidadas, qualquer outra que mostre interesse pode participar desta reunião.

O coordenador Boanerges Júnior informa que o ano base dos atletas será 2001, ou seja, só poderão atuar jovens nascidos a partir deste ano base.

A 4ª Copa Paraíba de Futebol Sub-15 é uma promoção do governo do estado e este ano está homenageando o professor Raimundo Braga.

quarta-feira, 20 de abril de 2016

Teu ódio será tua herança

Confira o novo texto de Zizo Mamede, em sua coluna: "Entre Aspas":

Na manhã seguinte ao fatídico domingo de 17 de abril de 2016, no corredor do Colégio Estadual de Serra Branca, um respeitado professor, discreto simpatizante do PT, escuta a ameaça de um jovem estudante: “Bolsonaro vai mandar matar os petistas”. Detalhe: o jovem é de uma família que vive de Bíblia em punho.

Na terça-feira ligo o rádio e lá pelas tantas um ouvinte telefona para lamentar a postura da maioria dos deputados e deputadas na sessão que aprovou a denúncia pelo impedimento da presidenta Dilma. No comentário o radialista consegue por toda a culpa nos 54 milhões de pessoas que votaram a favor da reeleição da presidenta.

O deputado Jair Bolsonaro homenageou Ultra o torturador-mor da Ditadura Militar e seviciador da jovem Dilma Vana Rousseff e de outras prisioneiras. Foi festejado por milhões de brasileiras e de brasileiros.

Um dia, no estado de Pernambuco, uma mulher mandou produzir e distribuir adesivos para colar na boca dos tanques de gasolina dos carros: Uma colagem de duas fotos, uma mulher de pernas abertas e cabeça da presidenta Dilma. A ideia disseminada aludir a um estupro contra Dilma a cada abastecimento dos carros.

Outro dia, um homem aborda um frentista em um posto de gasolina e começa a agredi-lo por sua condição de ser um haitiano que Cuba teria mandado para o Brasil para tomar o emprego dos brasileiros.

Lá no Sul uma médica pediatra recusa-se a atender uma criança doente “porque a mãe da criança é petista”. Pior, a dita médica recebeu o apoio do plano de saúde para o qual trabalha.

Numa esquina de São Paulo, jovens agridem um casal simplesmente porque ela vestia uma blusa vermelha e ele é barbudo, gente com “jeito de petistas”.

Nas redes sociais, um jovem serra-branquense estudante de engenharia civil, argumenta contra ex-presidente Lula: “Esse velho gagá deveria se aposentar e calar a boca”.

Na Avenida Paulista homens e mulheres, vestindo camisas da CBF, carregavam uma faixa com as seguintes palavras contra Dilma: “Se balançar essa quenga cai!”.

Em Brasília, o senador Ronaldo Caiado (DEM) distribuiu camisas amarelas com uma mão negra estampada. Detalhe: A mão tem um dedo cortado, numa alusão ao acidente que decepou um dedo de Lula quando ele era metalúrgico.

Racistas atacam atrizes nas redes sociais. Zombam de seus cabelos crespos e de serem “macacas” fora do contexto.

Nos corredores da Câmara dos deputados o deputado Bolsonaro declarou que só não estuprava a deputada petista Maria do Rosário porque ela “não é digna de um estrupo” de um homem da estirpe dele.

Do campus da UFCG em Sumé, um professor de Ciências Sociais telefona para uma emissora de rádio para declarar apoio à condução coercitiva do ex-presidente Lula por decisão do juiz Sérgio Moro.

Nas redes sociais um policial federal pergunta aos que se manifestam contra o impeachment: “Vai ter pão com mortadela?”

Na última quadra o ódio foi plantado e cultivado na sociedade brasileira. A semente brotou e sua planta não foi arrancada. Todos os dias setores da mídia regam o ódio, disseminando um mal estar generalizado no país onde “nada dá certo” e sugerindo os culpados.

Grupos fundamentalistas aproveitam o mal estar, identificam os culpados, pregam o fim dos tempos e o enfretamento ao anticristo: O PT, os homossexuais, os negros, os índios, os sem-terra, os sem-teto, os drogados, os jovens das periferias. 

As reações ao ódio precisam ser inteligentes, não podem ser de medo ou acomodação.